Friday, I'm in love: Ponysmasher

6.30.2017



Alguns anos atrás, vagando por alguns sites enquanto estava na aula de informática da escola. Foi assim que eu descobri. Eu sei, foi algo tão repentino! Logo na escola! Mas dizem que as melhores coisas da vida acontecem por acaso. E foi dessa maneira que eu descobri os curtas do canal ponysmasher
Vocês já sabem, pelas postagens anteriores, que eu sou uma grande fã do gênero - o que é algo meio controverso, já que eu também sou a mesma pessoa que acorda de madrugada e só sai do quarto com um crucifixo e água benta. Mas vamos lá, porque preciso apresentar isso aqui pra vocês.

LIGHTS OUT


Provavelmente, alguém aí já ouviu falar do filme "Quando as luzes se apagam" ou simplesmente, "Lights Out". O filme foi inspirado pelo curta do canal e teve participação especial da atriz que vocês verão estrelar o "Lights Out" original logo em seguida, Lotta Losten. 



COFFER



PICTURED



CAM CLOSER


Por último, um dos meus favoritos.


Esses foram alguns dos curtas que eu mais gosto. Ainda existe muitos outros no canal, e se for de interesse de vocês assistir/ler sobre mais coisas assim, me deixem saber. Gosto muito desse tipo de coisa sobrenatural, então não seria um problema pesquisar e escrever sobre. Na verdade, isso até me deu algumas ideias de postagens futuras. Qual o gênero preferido de vocês?

Capas ao redor do mundo: Harry Potter

6.27.2017


Passei tempo demais sem postar, né? Me sinto meio "desregulada" quando isso acontece. Três dias me parece tempo demais sem trazer nenhum conteúdo. Ontem realmente não deu tempo, mas eu queria muito ter comentado com vocês sobre os 20 anos da publicação do primeiro livro de Harry Potter. Confesso que sou uma grande fã da saga, e desde criança sou apaixonada pelos filmes. Os livros, conheci só aos 13 anos. E também foi um tempo de leitura apaixonante. 

Antes de seguir o rumo da postagem, só queria observar que: agora, é possível seguir o blog através do Bloglovin'! Só clicar no botão do widget ali do lado. Ah, e tem playlist nova na sidebar também.

Harry Potter e a Pedra Filosofal, antes de ser publicado pela editora britânica Bloomsbury Publishing teve mais de 10 recusas de outras editoras. A história do bruxo surgiu quando a autora, J.K. Rowling, viajava de trem e teve grande parte escrita em cafeterias (já que ela escrevia a história enquanto sua filha, ainda bebê, dormia ao seu lado em um carrinho). 
Rowling teve uma história de vida um tanto quanto complicada. Em um período de sete anos, ela vivenciou a morte da mãe, casou-se, deu a luz à sua primeira filha e sofreu violência doméstica, até que por fim divorciou-se em 1993. Em 26 de junho 1997, publicou o primeiro livro da saga que se tornaria mundialmente famosa: Harry Potter e a Pedra Filosofal.
Hoje, o que trouxe para vocês são algumas das capas de Harry Potter e a Pedra Filosofal pelo mundo, para que possamos comparar e nos apaixonar, mais uma vez, por esse universo maravilhoso criado pela autora. 

INGLATERRA: A primeira capa do livro. Foi com essa que HP veio ao mundo e ela contava com a ilustração de Thomas Taylor. Já a capa que vocês podem ver depois dessa é a versão "adulta" dela, com a imagem da própria pedra filosofal. O designer responsável por ela foi Michael Wildsmith.



Pra ver as outras, acho melhor clicar em "Leia Mais"! Vou começar a aderir a função pra postagens grandes assim.

Friday, I'm in love: Evolve by Imagine Dragons

6.23.2017


Eu tinha programado um post completamente diferente pra hoje. Envolvia alguns curtas de terror, que são provavelmente meus preferidos em todo o youtube, mas acho que faz mais sentido falar de uma coisa que gosto ainda mais que eles hoje: a minha banda favorita no mundo inteiro, Imagine Dragons. Logo que acordei e liguei o spotify para ouvir Friday, I'm in Love, do The Cure, para divulgar no meu facebook a postagem nova que eu havia programado, eu vi que eles haviam lançado o álbum novo da banda, Evolve. 

Eu levo a Imagine Dragons como minha banda favorita desde 2013, quando eu e minha amiga Djênifer (que conheci por aqui, nesse universo da blogosfera) começamos a ouvi-la juntas. Foi amor à primeira vista, sabe? Bem, talvez o termo mais apropriado seja à primeira ouvida. 

Fui a um show deles em São Paulo em 2015, com certeza um dos melhores momentos para meu cargo de fangirl. Gritei demais, amei demais, e sem dúvidas, pretendo repetir a dose na próxima turnê que trouxerem ao Brasil.

A banda indie rock surgiu em Las Vegas, Nevada, em 2008 e seus integrantes são Dan Reynolds, (Daniel) Wayne Sermon, Daniel Platzman e Ben McKee. Dizem que o nome da banda é um anagrama, mas a palavra original é desconhecida para todos, exceto os membros da banda. 
Agora, sem mais muita enrolação, apresento a vocês o novo álbum: Evolve.



Alguns dos clipes que já existem pra compartilhar com vocês:


Amo esse em particular, porque comecei a lutar kickboxing a alguns meses e ele me inspira demais.


Particularmente, nesse álbum vejo uma mistura muito harmoniosa do que eles lançaram nos álbuns anteriores, Night Visions e Smoke & Mirrors, porém recuperando a batida marcante do primeiro. Vocês conhecem a banda? Ah, e vocês tem algum artista favorito no mundo inteiro também?

3 livros que mudaram meu eu

6.22.2017



Acreditem ou não, a postagem sobre os 3 filmes que mudaram meu eu é uma das mais acessadas aqui no blog. Por consequência disso e por possuir inúmeras coisas que contribuíram na formação do meu caráter (até parece que agora eu falo de um jeito formal), pensei: por que não citar três livros que exerceram algum tipo de influência em mim? 
Pra falar a verdade, eu ando meio relaxada com as minhas leituras. Eu estou em casa por um tempo, como explicarei em outro post aqui no blog, e tinha prometido pra mim mesma que uma das metas do primeiro semestre de 2017 seria colocar as leituras em dia. Claramente, uma ilusão. Pelo menos eu criei vergonha na cara e resolvi escrever sobre isso tudo.
Acho que cada livro que eu li trouxe algo a acrescentar na minha vida. Há alguns que eu lembro mais da sensação que me proporcionaram do que da história em si, então talvez eu não fale tanto deles quanto gostaria. Mas sabe, seria uma boa ideia relê-los e resenha-los por aqui em breve. 



1. O COMEÇO DE TUDO - Robyn Schneider



Esse é um dos livros que eu falei que não me lembro exatamente da história, mas me lembro de fazer sentir um prazer imenso durante a leitura. Não vou falar muito dele. Deixarei com que a sinopse fale por si só. 

Nota pessoal: com certeza, reler. 


"O garoto de ouro Ezra Faulkner acredita que todo mundo tem uma tragédia esperando ali na esquina – um encontro fatal depois do qual tudo o que realmente importa vai acontecer. Sua tragédia particular esperou até que ele estivesse preparado para perder tudo de uma vez: em uma noite espetacular, um motorista imprudente acabou com a perna de Ezra, com sua carreira no esporte e com sua vida social. Depois que perdeu o favoritismo ao posto de rei do baile, Ezra agora almoça na mesa dos losers, onde conhece Cassidy Thorpe. Cassidy é diferente de qualquer pessoa que Ezra tenha encontrado antes – melancólica e com uma inteligência mordaz. Juntos, Ezra e Cassidy descobrem flash mobs, tesouros enterrados e um poodle que talvez seja a reencarnação do Grande Gatsby. À medida que Ezra mergulha nos novos estudos, nas novas amizades e no novo amor, aprende que algumas pessoas, assim como os livros, são difíceis de interpretar. Agora, ele precisa considerar: se uma tragédia já o atingiu, o que poderá acontecer se houver mais infortúnios? O Começo de Tudo é um livro poético, inteligente e de cortar o coração sobre a dificuldade de ser o que as pessoas esperam, e sobre começos que podem nascer de finais trágicos."

2. AS CRÔNICAS DE NÁRNIA - C. S. Lewis



É, eu sei que é mais de uma história. Mas se eu disser que li a versão que contém todas em um livro só, conta? Todas as crônicas de As Crônicas de Nárnia me deixaram marcada no fim do livro. Todas as sete. Uma por uma com o seu charme especial e a maneira fácil de ser conduzido para dentro da história. Talvez vocês conheçam as histórias dos filmes, mas eu recomendo 100% a leitura do livro. É muito, muito melhor e muito mais completo. Como sempre, duh.


"Viagens ao fim do mundo, criaturas fantásticas e batalhas épicas entre o bem e o mal - o que mais um leitor poderia querer de um livro? O livro que tem tudo isso é O leão, a feiticeira e o guarda-roupa, escrito em 1949 por Clive Staples Lewis. Mas Lewis não parou por aí, Seis outros livros vieram depois e, juntos, ficaram conhecidos como As crônicas de Nárnia.
Nos últimos cinquenta anos, As crônicas de Nárnia transcenderam o gênero da fantasia 'para se tornar parte do cânone da literatura clássica. Casa um dos sete livros é uma obra-prima, atraindo o leitor para um mundo em que a magia encontra a realidade, e o resultado é um mundo ficcional que tem fascinado gerações.
Esta edição apresenta todas as sete crônicas integralmente, num único volume magnífico. Os livros são apresentados de acordo com a ordem de preferência de Lewis, cada capítulo com uma ilustração do artista original, Pauline Baynes. Enganosamente simples e direta, As crônicas de Nárnia continuam cativando os leitores com aventuras, personagens e fatos que falam a pessoas de todas as idades, mesmo cinqüenta anos após terem sido publicadas pela primeira vez."


3. EU SOU O MENSAGEIRO - Markus Zusak



Markus Zusak é um dos meus autores favoritos. Gosto muito da escrita dele e sempre consigo tirar uma mensagem das suas histórias. De alguma maneira, todos os livros que já li dele me fizeram ver algo de um jeito diferente depois de terminá-los. Mas eu escolhi esse, em especial. É outro de que eu não me lembro bem. Lembro de tê-lo amado. Mais um pras "releituras".



 
"Conheça Ed Kennedy: taxista, patético jogador de cartas, um desastre no amor. Mora numa casinha alugada com seu cachorro viciado em café e está apaixonado pela melhor amiga. Seu dia a dia é uma rotina de incompetência, até que, sem querer, impede o assalto a um banco. Então recebe a primeira carta: um Ás. É quando Ed se torna o mensageiro... Escolhido para socorrer, ele segue seu caminho na cidade ajudando – e machucando (quando necessário) – até que resta apenas uma questão: Quem está por trás de sua missão? Eu sou o mensageiro é uma jornada enigmática repleta de humor, socos e amor."


Caso vocês não conheçam ou nunca tenham lido nenhum desses livros, saiam agora mesmo da frente do computador ou da telinha minúscula do celular e vão lê-los. Juro, vocês estarão fazendo um grande bem para a humanidade. E para vocês mesmos. Esses livros são simplesmente fantásticos. Algo assim já mudou o "eu" de vocês?


Capitu: traiu ou não traiu Bentinho?

6.21.2017

imagem: pinterest
Que mentira! Quer dizer.... Capitu traiu Bentinho, no fim das contas? Ou foi simplesmente coisa da cabeça daquele narrador ciumento e possessivo? 
Bom, parece que voltamos à estaca 0. Se Capitu traiu ou não traiu Bentinho é provavelmente um dos fatos mais questionados e polêmicos da literatura brasileira. E eu, como amante desta, não poderia deixar de comentar com vocês o aniversário de uma grande figura histórica do nosso país: Machado de Assis. 
No ano passado, ainda cursando o 3º ano do ensino médio e o cursinho pré-vestibular, tive a oportunidade de ler e trabalhar alguns contos e obras desse cara que foi tão importante pra nossa história. Dentre elas, eu li Dom Casmurro. E não é que me surpreendi com o tanto que gostei? 
Pra quem não tá entendendo nada do que eu estou falando, vou contar um pouquinho sobre a história do livro.
Dom Casmurro é como um poeta apelidou Bento Santiago agora velho, sozinho e amargurado. Ao rememorar sua existência, Bentinho conta sobre sua infância e a vida com a família num casarão na rua de Matacavalos. Foi lá que conhecera e se tornara amigo de sua vizinha, a filha de Pádua, Capitolina.
Bentinho, porém, é enviado a um seminário por consequência de uma promessa feita por sua mãe. Lá, conhece Ezequiel de Souza Escobar, que se torna seu melhor amigo e mais tarde, convence dona Glória de que ela havia prometido a Deus um sacerdote - não necessariamente seu filho. Dessa forma, Bentinho vai a São Paulo estudar direito e consegue, por fim, casar-se com Capitu.
Sancha e Escobar e Capitu e Bento tornam-se vizinhos, morando em duas casas de frente para o mar. Logo, nasce a filha de Sancha e Escobar, que recebe o nome de Capitolina. Capitu e Bento demoram um pouco mais, porém, quando nasce o primeiro filho do casal, decidem retribuir a homenagem chamando-o de Ezequiel. A partir da convivência das duas famílias, Bento começa a notar uma semelhança horrível entre seu filho e Escobar que vai além do nome. Escobar, que era um exímio nadador, acaba morrendo afogado no mar.
Bento enxerga no filho a figura do amigo falecido e fica convencido de que fora traído pela mulher. Resolve suicidar-se bebendo uma xícara de café envenenado. Quando Ezequiel entra em seu escritório, decide matar a criança, mas desiste no último momento. Diz ao garoto, então, que não é seu pai. Capitu escuta tudo e lamenta-se pelo ciúme de Bentinho, que, segundo ela, fora despertado pela casualidade da semelhança.*
Os dois decidem que irão se separar e logo viajam para a Europa para encobrir a situação. 
Existe mais coisas além disso, mas aí eu deixo pra vocês descobrirem lendo o livro. Ou olhando a fonte que me ajudou a retomar a história e fazer o resumo, no final do post. 
Além disso tudo, vocês provavelmente já ouviram as famosas frases que  revelam características de Capitu ao longo do livro. Frases como "Olhos de cigana oblíqua e dissimulada" ou "Olhos de ressaca". Todas elas, sem dúvida, marcantes. Mas o que me atrai de verdade na história é a genialidade do autor. O livro é razoavelmente pequeno, mas nessas páginas, Machado de Assis conseguiu trazer à tona temas como o ciúme e diversas críticas sobre a sociedade brasileira. 
Resolvi trazer essa postagem hoje porque, no dia 21 de junho de 1839, no Rio de Janeiro, nasceu Machado de Assis. Em homenagem, então, a esse nome importante, essa postagem.
Não assisti a minissérie que foi feita alguns anos atrás baseada na obra que citei acima, mas gosto muito dessa cena, particularmente, e acho que vocês vão gostar também.


Depois disso, vocês acreditam no que? Capitu traiu ou não traiu? Eu... Bem, acredito que Bentinho foi apenas mais um homem bêbado de ciúme.

"Palavra puxa palavra, uma ideia traz outra, e assim se faz um livro, um governo, ou uma revolução, alguns dizem que assim é que a natureza compôs as suas espécies."
Machado de Assis

FÉRIAS DE INVERNO: duas séries que vão aquecer seu coração

6.19.2017


Confesso pra vocês que eu não sou uma pessoa pra lá de viciada em séries, e é bem difícil eu terminar de assistir alguma que comecei. A menos, é claro, que eu esteja assistindo alguma com a minha mãe. Sempre temos algumas que prometemos uma pra outra que só poderemos assistir quando estivermos juntas (e eu sei do episódio de Grey's Anatomy, mãe, caso você esteja lendo isso). 
Mas, como eu sei que grande parte do público daqui é viciado em séries e as férias de inverno estão se aproximando, pensei em separar algumas das minhas séries favoritas para sugerir pra vocês. Séries que eu realmente terminei, acreditem! E pretendo continuar quando lançarem as próximas temporadas. Conforme o prometido, trago hoje para vocês algumas séries que vão aquecer seu coração (porque um frio do cão aqui no sul). Espero que gostem de conhecer as minhas queridinhas. 

1. ANNE WITH AN 'E'



Essa série foi lançada na Netflix recentemente, baseada no romance Anne of Green Gables (um romance da escritora canadense L. M. Montgomery, publicado em 1908. Foi escrito como ficção para leitores de todas as idades, mas nas últimas décadas tem sido considerado principalmente um livro infantil). Eu, que não conheço a história original, estou simplesmente enlouquecida e furiosa por não ter conhecido antes. Com certeza, é uma obra que entrou para a minha lista de leituras desse ano já que, definitivamente, amo histórias assim. Só pela abertura lindíssima da série já vale a pena dar uma olhada. 


2. ONE DAY AT A TIME



Essa série fez parte de um momento difícil pra mim. Assisti ela enquanto passava por algumas tensões pré e pós vestibular, e todo o clima da história fez com que eu relaxasse um pouco. Além de tudo isso, ela nos apresenta temas super importantes na atualidade, como racismo, machismo e homofobia


Como eu disse antes pra vocês, eu não assisto muitas séries. E percebi isso mais concretamente agora, quando pensando em quais iria indicar aqui, só consegui lembrar dessas duas que olhei sozinha. Eu poderia facilmente falar de filmes ou livros ou mesmo poesia, mas quando se trata de séries... aí o negócio complica um pouco. Tanto que, como vocês podem perceber, essas duas tem apenas uma temporada até o momento (e espero ansiosamente pelo lançamento das próximas). 
Quais as séries preferidas de vocês? Alguma dessas que cito na minha "gigantesca" lista? Espero que gostem delas. Do contrário, assistiram errado!

Friday, I'm in love: Stephen King

6.16.2017


Já que estamos no início do blog, também é hora de criar quadros pra postar semanalmente. Não que tenha uma hora certa pra fazer isso, mas vou usar essa desculpa, hoje. Decidi todas as sextas vou postar pra vocês sobre alguma das minhas paixões mais recentes (ou nem tanto), seja ela um livro, um filme, uma música, uma arte ou um artista. Que seja apenas uma foto pra vocês admirarem, mas vou tentar manter a frequência das postagens, sim. Aliás, o nome do quadro surgiu de uma música que gosto muito e se chama "Friday, I'm in love", do The Cure. Ela é de algum filme que não lembro no momento, mas acho que eu gosto. Pelo menos, ele tem uma trilha sonora bem bacana. 
O primeiro love que eu decidi mostrar e declarar ao mundo, gritar aos sete ventos e deixar com que todos saibam, é meu amor pelo Stephen King. Não pela pessoa, não entendam mal. Mas pela escrita dele. Essa, sim, me deixa arrepiada. Eu não li muitos livros dele. Pra falar a verdade, só um inteiro que se chama "Escuridão Total Sem Estrelas", e gostei tanto desse que resolvi desenterrar um que estava na minha estante desde 2014 no formato de livro de bolso, comprado em uma livraria na estante das promoções com os dizeres "Qualquer um por R$10,00". Comprei ele junto com uma versão do "Diário de Anne Frank", outro que nunca consegui terminar de ler, mas pretendo. Esse livro se chama "Christine". Se tudo der certo, ele vai ser a primeira resenha aqui do blog. "Christine" é aquele livro que não te deixa parar de ler, e quando você é obrigado (provavelmente por alguma tarefa doméstica, já que a vida adulta chega pra todos nós e o mundo não vai ser salvo sozinho), não consegue parar de pensar na trama e naquilo que vai acontecer depois. E é disso que estou falando: essa escrita incrível que te deixa preso, envolvido e inspirado a cometer crimes quase piores do que os dos personagens, como se atrasar para um compromisso por não conseguir largar o livro. 
Por que não compartilhar com vocês um pouco do perfil do autor e um pequeno resumo desse livro que eu estou amando? Só rolar mais pra baixo que tá tudo aí. 

PEQUENA BIOGRAFIA RETIRADA DO WIKIPÉDIA COM ALGUMAS OBSERVAÇÕES MINHAS: 


Resultado de imagem para stephen king

Stephen Edwin King, nascido em Portland, 21 de setembro de 1947 (E eu nasci dia 22 de setembro! Somos dois virginianos, é inegável nossa conexão!), é um escritor americano, reconhecido como um dos mais notáveis escritores de contos de horror fantástico e ficção de sua geração. Os seus livros já venderam quase 400 milhões de cópias, com publicações em mais de 40 países. Muitas de suas obras foram adaptadas para o cinema. É o nono autor mais traduzido no mundo.




CHRISTINE




Fazendo pesquisas pra essa postagem, DESCOBRI QUE TEM O FILME DE CHRISTINE!!! Mais um motivo pra terminar de ler logo o livro. Agora também tenho o filme pra olhar. De qualquer forma, segue a sinopse e o trailer do filme (que eu não olhei pra não receber spoiler).

Sinopse: Arnie Cunnigham era um perdedor. Rosto coberto de espinhas, desajeitado com as garotas, magro demais, passava os dias pelos corredores da escola, tentando fugir da gozação dos colegas. Isso até Christine entrar em sua vida. Amor à primeira vista. A partir desse dia, o mundo ganha novo sentido. Tudo o que Arnie quer é estar junto de Christine. Mas não se espere um novo Romeu e Julieta, tratando-se da mente assombrosa de Stephen King. Christine é um carro. Um Plymouth Fury 1958. Um feitiço sobre rodas que se apodera de Arnie e faz dele alguém diferente. Há algo poderosamente maligno solto pelas estradas de Libertyville. Uma força sobrenatural que vai deixando seu rastro de sangue por onde passa. Embarque nessa viagem assustadora e boa sorte.


Quanto a vocês: gostam do Sr. King tanto quanto eu gosto? Qual a obra favorita de vocês? Ou melhor: com o que vocês andam in love nessa bela friday?

TARDES DE DOMINGO

6.14.2017


O que seria de mim sem as tardes de domingo?
Sem a luz do sol que banha o chão frio do meu quarto todas as manhãs,
O som da chuva e o cantar dos pássaros livres?
Liberdade, liberdade:
Me faz pensar o que seria de mim sem o cheiro do teu perfume
Ou sem o sabor dos teus lábios tortos?
Tortuosas estradas da vida 
Que me fizeram andar até a esquina dos amantes.
Pergunto-me o porquê.
Porque preciso seguir em frente 
Sem você ao meu lado. 

Caroline Waschburger.

3 Filmes que mudaram meu eu

6.13.2017


Refletir sobre quais são meus filmes favoritos (ou qualquer outra coisa que seja minha favorita) é um tanto quanto complicado. Eu nunca lembro de nenhum na hora de listar, sabe? Não deve acontecer só comigo. Mas foi fácil pensar em dois desses três da lista, em parte porque olhei o pedaço de um esses dias e porque acabei de ver na minha galeria de imagens a foto de uma cena de outro. Agora, o terceiro... Esse sim me pegou. Talvez até o final da postagem eu decida qual acrescentar na lista. Provavelmente, será algum que no momento, nem lembro da existência. 
Os filmes que selecionei como meus favoritos (não em ordem de preferência, mas em uma ordem aleatória e sem muito sentido) são filmes que me fizeram pensar. Sabe aquele tipo de filme que depois te deixa com vontade de mudar o mundo ou fazer algo diferente da sua vida? Exatamente. Ah, e acho que acabo de ter a ideia pro terceiro filme da lista. Bom, vamos à listagem. 

1. A SOCIEDADE DOS POETAS MORTOS



A Sociedade dos Poetas Mortos é, sem dúvida alguma, um dos filmes que eu mais gostei de assistir. Eu realmente estava na dúvida sobre para qual curso prestar vestibular, e letras foi muito considerado na hora (no fim, optei por jornalismo) por causa desse filme. Um ótimo filme pra quem gosta de ler/de literatura e está em busca de inspiração. 
Sinopse: Em 1959 na Welton Academy, uma tradicional escola preparatória, um ex-aluno (Robin Williams) se torna o novo professor de literatura, mas logo seus métodos de incentivar os alunos a pensarem por si mesmos cria um choque com a ortodoxa direção do colégio, principalmente quando ele fala aos seus alunos sobre a "Sociedade dos Poetas Mortos".

2. CIDADES DE PAPEL 




Esse filme entrou pra minha lista por 3 motivos. O primeiro, é porque foi baseado em um dos meus livros favoritos do John Green. O segundo, é porque a história realmente é boa, e gosto muito, particularmente, da forma como o filme foi desenvolvido (talvez até mais do que da trama do livro). E o terceiro é o motivo onde eu revelo pra vocês que eu me identifiquei muito com Margo Roth Spiegelman. Não é o post mais adequado pra eu explicar o motivo, mas um dia falo sobre isso. Ah, e como um "quarto motivo", deixo a trilha sonora também.
Sinopse: A história é centrada em Quentin Jacobsen (Nat Wolff) e sua enigmática vizinha e colega de escola Margo Roth Spiegelman (Cara Delevingne). Ele nutre uma paixão platônica por ela. E não pensa duas vezes quando a menina invade seu quarto propondo que ele participe de um engenhoso plano de vingança. Mas, depois da noite de aventura, Margo desaparece – não sem deixar pistas sobre o seu paradeiro.

3. SETE MINUTOS DEPOIS DA MEIA NOITE



Provavelmente, nenhum de vocês já ouviu falar desse filme. Esse eu vi há menos tempo que os outros dois. Foi uma novidade desse ano enquanto os outros dois já estão na minha lista tem mais tempo. Por mais que alguns dos efeitos do filme sejam um pouco engraçados, eu fiquei bem abalada com ele. Terminei de olhar e desejei ter ficado olhando pra sempre, só pra poder acompanhar todas as histórias contadas e pra aprender a recontá-las pra todo mundo. Terminei de olhar desejando ser capaz de criar histórias daquela forma e encantar todo mundo da mesma maneira que fui encantada. Foi, sim, um ótimo filme. É, na verdade. E eu realmente recomendo a todo mundo.
Sinopse: Conor é um garoto de 13 anos de idade, com muitos problemas na vida. Seu pai é muito ausente, a mãe sofre um um câncer em fase terminal, a avó é uma megera, e ele é maltratado na escola pelos colegas. No entanto, todas as noites Conor tem o mesmo sonho, com uma gigantesca árvore que decide contar histórias para ele, em troca de escutar as histórias do garoto. Embora as conversas com a árvore tenham consequências negativas na vida real, elas ajudam Conor a escapar das dificuldades através do mundo da fantasia.

Ok, ok! Eu admito. Pensar nesse terceiro filme até que não foi tão difícil. Lembrei dele no meio da postagem e depois, escrevendo ela, lembrei de pelo menos mais dois que eu poderia acrescentar à lista. Mas, por enquanto, acho que vou deixá-la assim. Quem sabe faço uma parte dois daqui um tempo? De qualquer forma, já falei bastante de mim por um post só. Nem sei se vocês tiveram paciência e coragem de ler até aqui. Se leram, espero que tenham gostado. E se gostaram, quais os filmes que mudaram o eu de vocês? 

Quem é você, Carol?

6.12.2017


Supõe-se que eu deveria ser boa com apresentações, então prometo que vou me esforçar ao máximo por aqui. Sinceramente, estou um pouco destreinada na área da escrita. 'Uma escritora que não escreve?', você me pergunta. E eu respondo que não, não é que eu não escreva... Mas faz um tempão que sumi do mundo dos blogs e só agora decidi voltar oficialmente para ele (o que significa que desacostumei completamente com a linguagem daqui). Então vamos lá.
Meu nome é Caroline Waschburger e eu tenho 17 anos. Moro na cidade de Sapiranga, RS, desde que me conheço por gente. Desde pequena, sempre tive muito interesse pela área criativa e artística. Já escrevi, já desenhei, já pintei, já atuei e até tentei cantar. Mas entre essas subdivisões da área, a que mais me define é a da escrita (e eu vou contar o porquê logo, logo!)


Minha história como escritora começou bem cedo, na verdade. Publiquei meu primeiro livro aos 12 anos de idade sob muita influência do meu avô materno, que me contava muitas histórias desde cedo. Logo que aprendi a ler, mergulhei ainda mais nesse universo e isso fez com que eu tivesse vontade de contar minhas próprias histórias. Surgiu, então, no ano de 2012, a ideia de escrever uma história que talvez, futuramente, pudesse se transformar em um livro. Eu realmente não esperava que esse "futuro" chegasse tão rapidamente. Em maio do mesmo ano, na feira do livro de Sapiranga, eu lancei através da editora OIKOS "O Quadro da Moldura Vermelha", um suspense infantil com ilustrações em preto e branco feitas pela Lavinie Telmo. Depois disso, comecei a visitar algumas escolas para divulgar meu trabalho como escritora independente através de conversas com alunos, o que hoje em dia é uma das minhas atividades favoritas da "carreira". 
Em 2013, com o gosto pela escrita aumentando cada vez mais, publiquei pela mesma editora o drama infantil "Luke", contando a história de um cãozinho de rua em Nova York. Lavinie também trabalhou nas ilustrações desse livro, e um tempo depois, comecei a ter ideias para o terceiro livro publicado na minha carreira: "A Escolhida". As ideias para a história surgiram no ano de 2014 e consistiam em contar para todo mundo sobre o mundo fantástico de Hoson e seus habitantes que foi descoberto por Kattie, uma jovem de 16 anos, de um jeitinho bem peculiar. Em uma viagem com os pais, a menina adormece, e ao acordar percebe que está deitada no meio de uma floresta, sozinha. Ela precisa descobrir onde estão seus pais e tentar salvá-los antes que seja tarde demais. 
Em 2015, surgiu a inspiração para finalizar o livro "A Sombra do Terceiro Anjo" e assim seguir a linha de "um lançamento por ano". A Sombra do Terceiro Anjo, ou AS3A, conta sobre uma menina que tem o destino traçado desde o dia do nascimento, e nele consiste viver o encontro com o filho de um dos 5 anjos expulsos dos céus no princípio dos tempos. A obra mistura a mitologia cristã com os dias atuais e desenvolve temas como alcoolismo, traição e sexualidade. 
O ano de 2016 passou em branco para mim. Bem, não completamente em branco se levarmos em conta que ele foi preenchido com muito estudo, tanto pela conclusão do último ano do ensino médio quanto pelos estudos do cursinho pré-vestibular. Os dois me tomavam praticamente todo o tempo que eu tinha, então fui obrigada a deixar algumas atividades - como a escrita criativa - de lado. Mas agora, iniciando o segundo semestre de 2017 e após 6 meses parada, decidi que vou voltar à ativa. Quero cursar jornalismo assim que for possível e dedicar meu tempo livre para atividades como a escrita e a leitura, que são meus passatempos favoritos.
Meus blogs antigos sempre tratavam sobre tudo um pouco (de playlists do mês até filmes, fotos, textos e resenhas), e pretendo seguir a mesma linha daquilo que me mantinha entretida antigamente (saudades, 2013!). Afinal, eu ainda gosto muito disso tudo. E vou tentar ao máximo fazer com que tudo isso dê certo.